• Ana Carolina Souza

Quer melhorar a rotina e mudar hábitos? Veja agora 3 passos para trocar mais por menos!

O conhecimento neurocientífico pode te ajudar a mudar hábitos para melhorar a sua rotina de vida a fim de favorecem o bem-estar!

Estudos mostram a importância de se construir limites saudáveis, aprender a dizer não, valorizar o autoconhecimento e priorizar melhor.


Como é possível incluir mais tarefas e ações em uma rotina que para muitos já está cheia? Os compromissos se amontoam e com isso, levam com eles nossa energia e disposição. Mesmo achar tempo para fazer algo que gostamos é difícil se vivemos correndo de um lado para o outro. Será que essa rotina é a melhor para nós? E se pudéssemos fazer melhores escolhas?

De tempos em tempos, nos pegamos pensando em tudo aquilo que gostaríamos de fazer, mas por algum motivo inexplicável não conseguimos. Investir mais em atividade física, ter uma alimentação saudável, aprender algo novo, aproveitar um hobby ou estudar! Seja qual for o seu sonho, sabemos que ele está lá, escondido entre uma lista infinita de afazeres que compõem uma rotina pesada. Seguimos desejando ter um dia com 36 horas para poder caber tudo e finalmente viver uma rotina mais equilibrada. Fazemos planos, priorizamos, investimos tempo e dinheiro, mas no fim, parece que nada dá certo!


Este processo pode ser tão frustrante que chegamos a pensar que viver isso seria um luxo, não serve para nós, ou que não passa mesmo de um sonho. E se a nossa estratégia estiver errada? A cada dia surgem mais e mais estudos e referências discutindo a importância de se construir limites saudáveis, aprender a dizer não, valorizar o autoconhecimento e priorizar melhor, mas quando se trata de promover mudanças de rotina por algum motivo o que vemos são inúmeras recomendações de como encaixar novos hábitos na sua vida, sem considerar que muitas vezes o que nos falta é tempo!


Sempre me pergunto como é possível incluir mais tarefas e ações em uma rotina que para muitos já está cheia. Os compromissos se amontoam e com isso, levam com eles nossa energia e disposição. Mesmo achar tempo para fazer algo que gostamos é difícil se vivemos correndo de um lado para o outro. Será que essa rotina é a melhor para nós? E se pudéssemos fazer melhores escolhas? Com este texto, quero fazer um convite para que vocês reflitam: Existe algo na sua rotina hoje que está drenando a sua energia e te traz pouco (ou nenhum) retorno? Não seria a hora de trocar esta por outra atividade mais recompensadora, quem sabe até dar vida a um antigo sonho? Vamos considerar 3 passos para te ajudar a iniciar essa mudança:


1) Faça um exercício de visão

Saber o que desejamos é fundamental para escolher esse caminho. Pegue papel e caneta e reflita: Qual a sua rotina perfeita? Escreva sobre isso com o máximo de detalhes que conseguir. Em seguida, leia o que escreveu e faça uma lista das atividades que compõem esta rotina dos sonhos. Por exemplo, podemos ter: café da manhã saudável, meditar, estudar, ler, tomar um banho relaxante, trabalhar, etc. Agora faça uma lista das atividades que desempenha hoje na sua rotina. O que está "sobrando"? Identifique todas as atividades que não se associam a sua rotina ideal e questione-se: Posso deixar de fazer isso? Posso terceirizar isso? Posso reduzir isso? Claro, considere o impacto dessa mudança, mas pouco a pouco priorize as atividades que se encaixam na sua rotina ideal. Considere também o tempo dedicado a essas atividades, muitas vezes mexer nesse equilíbrio será a grande solução. Agora identifique o que está faltando para sua rotina ficar mais próxima do ideal e comece a priorizar o que gostaria de incluir. Pouco a pouco, vá experimentando e ajustando a nova rotina.


2) Mantenha o foco nos seus objetivos

Não se engane pela nossa dificuldade de planejar. A verdade é que somos péssimos em fazer planos de médio e longo prazo. Mesmo pessoas experientes têm dificuldade em saber exatamente quanto tempo precisam para dar conta de suas atividades e isso tem a ver com um viés inconsciente nosso, chamado Falácia do Planejamento. Por isso, antes de aceitar qualquer convite, verifique se de fato faz sentido você assumir esse novo compromisso. Você quer fazer isso? Tem tempo? O que vai deixar de fazer para atender esta nova demanda? Aceitamos ou assumimos mais compromissos do que damos conta e isso acontece justamente pela nossa baixa capacidade de prever o futuro. Ter suas atividades planejadas e refletir com calma o que está abrindo mão antes de assumir algo novo é uma boa forma de evitar uma agenda lotada que acaba comprometendo seu tempo e nem sempre te ajuda a atingir seus objetivos.


3) Aprenda a dizer NÃO

Eu sei, parece impossível dizer não. O que vão pensar de você? É justamente a nossa dificuldade em lidar com as pressões e expectativas sociais que nutrem essa dificuldade natural de dizer não. Fazemos isso para evitar sermos julgados ou mesmo magoar/frustrar os outros, mesmo sem saber ao certo como esta outra pessoa reagiria ao nosso “não”. Mas veja bem, se você tentar agradar a todos, vai acabar desagradando a você mesmo. Toda essa conversa não é sobre o outro, mas sobre você. Qual o seu limite? O que te interessa fazer? Quem você consegue ajudar, sem se comprometer demais? Não precisa dizer não para tudo e todos, mas seja fiel aos seus objetivos. Algumas frases boas são: “Agradeço o convite, mas não tenho interesse.”; “Neste momento estou focando em outros projetos, quem sabe em outro momento.”; “Não posso assumir este compromisso, mas se quiser posso indicar alguém.” Não queremos que a pessoa se sinta chateada, lógico, mas não podemos viver em função das necessidades e urgências dos outros.

Isso tudo é muito importante, pois não vamos conseguir incluir mais coisas para fazer, mais planejamento e mais complexidade em uma rotina atribulada e por isso os nossos projetos sempre acabam ficando em segundo plano. No entanto, se aprendemos a reduzir essas demandas, escolher e priorizar melhor, somos capazes de abrir espaço em nossas vidas para os sonhos engavetados. Mais do que isso, nossa energia será direcionada para atividades que nos fazem bem, motivam e favorecem o bem-estar, simplesmente pois estão alinhadas às nossas escolhas pessoais e favorecem o autocuidado. Que tal então, fazer uma lista do que NÃO fazer a partir de agora?


Quando sentir que a vida começou a ficar um pouquinho mais tranquila, chegou a hora de começar a fazer novos planos!


Quer entender melhor como a Neurociência pode ajudar em processo de mudança na sua empresa? Mande uma mensagem para gente por aqui!


Um abraço e até o próximo post 😉