• Joana Coelho

Por que estamos buscando ser 100% produtivos?

Entenda porque temos dificuldade de equilibrar as demandas do trabalho com a vida pessoal. E confira dicas práticas que melhoram nossa qualidade de vida!


Com certeza é um grande desafio ter um comportamento diferente do que estamos condicionados e do que observamos ser comum às outras pessoas, mas a lógica de trabalho está se transformando.


Apesar de sentirmos os efeitos negativos da busca incessante pela produtividade, por que é tão difícil nos desvincular dela?

Hoje em dia, os profissionais buscam técnicas e boas práticas que os ajudem a produzir e entregar cada vez mais. Junto com essa busca, vem também a discussão (extremamente necessária) sobre o porquê estamos almejando alcançar níveis cada vez mais altos de performance, visto que ela muitas vezes culmina em uma busca incessante por ser mais e mais produtivo, negligenciando outros aspectos essenciais que permitem uma maior qualidade de vida e bem-estar. Bom, para começar, precisamos entender o que nos leva a ter essa busca.


Quando falamos da nossa relação com o trabalho, temos que considerar que vivemos em uma cultura que é pautada na produção e que momentos livres, aqueles em que não estamos produzindo, são vistos como um tempo perdido. Isto é aprendido e, ao longo da vida, escutamos diversas frases que contribuem para essa percepção. Em conjunto com a lógica de medir o nosso desempenho pelo tempo que dedicamos ao trabalho, há um grande desafio em viver o ócio. Por isso, é muito comum vermos pessoas refletindo sobre o que poderão fazer com o tempo livre que surgiu de repente no seu dia e esse tempo, antes vago, passa a ser usado para adiantar alguma coisa do trabalho, fazer aquele curso novo necessário para aprender uma nova técnica ou mesmo investir a sua energia para uma atividade de trabalho secundária. O tempo livre acaba sendo ocupado rapidamente em busca de ser produtivo e não deixar a oportunidade passar.


As características do mundo de trabalho atual, de alto dinamismo e imprevisibilidade, também nos colocam em busca de um crescimento profissional rápido. O desenvolvimento na nossa atividade de trabalho, nos tornando cada vez melhores e eficazes, têm um efeito benéfico para nós, pois ter objetivos e progredir nos trazem motivação e satisfação. Porém, devido a este mundo marcado pelo imediatismo, temos também a preocupação de atingir o próximo estágio das nossas carreiras o mais rápido possível. Dentro das empresas, isso está intimamente ligado a cumprir as metas, realizar as entregas esperadas e ir além do que foi traçado para seu desenvolvimento. Tudo isso gera uma enorme pressão para estar sempre trabalhando para aumentar a nossa produtividade e, assim, alcançar o próximo nível da nossa carreira de forma ágil.


Dentro deste cenário, a busca por preencher nosso tempo com atividades demandantes e essa pressão para atingir os novos marcos de sucesso definidos pelo coletivo, nos leva à tentativa de sermos 100% produtivos e traz um desequilíbrio, resultando em impactos negativos para o indivíduo. Ao invés de trabalharmos de forma mais eficiente durante as horas que dedicamos ao trabalho, para dar conta de todas as atividades, acabamos trabalhando longas horas e tendo dificuldade de se desligar do trabalho. Por isso, essa busca pela alta produtividade acaba levando a quadros de exaustão física e mental e torna-se uma preocupação para os profissionais. Precisamos equilibrar essa balança e olhar para a produtividade como uma forma de ganharmos mais tempo para aproveitar outras áreas da nossa vida que nos trazem prazer, como o lazer, o descanso e o convívio com família e/ou amigos. Este fator será essencial para que tenhamos uma maior qualidade de vida e um melhor desempenho no nosso trabalho.


Apesar de sentirmos os efeitos negativos da busca incessante pela produtividade, por que é tão difícil nos desvincular dela?


Estarmos inseridos em um contexto social, que nos coloca em contato com essa busca por estar sempre fazendo algo produtivo, faz com que, inconscientemente, busquemos fazer parte da lógica coletiva relacionada às entregas, apesar de compreendermos os benefícios de ter os momentos de descanso. E, por sermos seres sociais, pertencer ao grupo é algo fundamental e muitas vezes aderimos a certos comportamentos como forma de nos manter dentro deste grupo e evitar os sentimentos de exclusão. A teoria da conformidade social explica esse fenômeno, no qual a influência de outros indivíduos acabam moldando nosso comportamento e acabamos não questionando se estas práticas são ou não benéficas para nós.


Com certeza é um grande desafio ter um comportamento diferente do que estamos condicionados e do que observamos ser comum às outras pessoas, mas a lógica de trabalho está se transformando. Estamos cada vez mais atentos à necessidade de ter um melhor equilíbrio de vida e já temos mais conhecimento sobre o quanto é importante o descanso e o tempo livre para que sejamos capazes de desempenhar nossas atividades cada vez melhor.


Então, hoje, quero te convidar para olhar a sua rotina e compreender melhor a forma como você está usando o seu tempo. Você está buscando ser 100% produtivo e preencher cada tempo livre com uma nova entrega? Ou você está se permitindo aproveitar os tempos de descanso e lazer? Para ajudar na sua reflexão, deixo algumas dicas para serem empregadas na sua rotina:


- Reflita sobre quais são aspectos importantes da sua vida pessoal e profissional:

Pela pressão externa e pela urgência que vivemos, muitas vezes deixamos de lado aspectos importantes da nossa vida pessoal e também profissional. Por isso, ao refletirmos sobre as nossas prioridades, temos mais clareza sobre o que não podemos deixar de lado no nosso dia a dia. Por exemplo: manter o tempo da atividade física no seu dia, estar presente no horário do jantar com a sua família, fazer um curso escolhido para desenvolvimento profissional ou ter tempo de qualidade para conversar com a sua equipe. - Busque colocar essas atividades na sua agenda e realmente as trate com prioridade: Muitas vezes não incluímos as atividades de descanso no nosso dia a dia e somos levados pela pressão para ser produtivo, deixando elas de lado no meio da rotina corrida. Por isso, colocar as atividades na sua agenda irá te ajudar a identificar outros compromissos que são tão importantes quanto as entregas que precisamos fazer para o trabalho e também a visualizar melhor como encaixar essas entregas em outros momentos que não irão comprometer aquelas que trarão prazer e relaxamento. Se quiser mais dicas de como encaixar esses momentos, veja este texto do blog.

- Se questione sobre a necessidade de colocar outras tarefas no seu tempo livre:

Para mudar comportamentos que já estão enraizados, precisamos identificar o que nos leva a seguir aquele hábito e ativamente tentar mudá-lo. Após realizar os dois primeiros passos e visualizar as suas prioridades no seu dia, ao surgir um tempo livre ou uma nova demanda que pareça urgente, se questione sobre o quanto aquela tarefa realmente precisa ser feita imediatamente ou se é possível negociar outros momentos.


- Reconheça o que você já alcançou e produziu durante o seu dia:

É comum, diante das características do mundo atual, que a percepção do que conquistamos durante nossa rotina de trabalho se perca em meio a tudo o que ainda não produzimos. Isso acaba contribuindo para que o nosso foco esteja sempre naquilo que ainda não produzimos e na comparação com o que as outras pessoas estão fazendo. Assim, a sensação de estar devendo acaba sendo prevalente, mesmo quando ficamos horas nos dedicando ao trabalho. Busque reconhecer o que você foi capaz de produzir durante o seu dia de trabalho, seja relacionado a entregas finalizadas ou etapas de tarefas mais complexas que precisam de uma dedicação maior para seu completo desenvolvimento. Esse exercício irá ajudar a colocar em perspectiva o quanto estamos sendo capazes de performar e ajudar a cumprir os passos anteriores.


E se quiser se aprofundar sobre o olhar da neurociência a respeito da importância do equilíbrio entre a vida profissional e pessoal para nossa qualidade de vida, não deixe de ver o segundo episódio do nosso videocast!


Até a próxima! :D