• Thaís Gameiro

3 dicas para incluir breaks realmente efetivos na sua rotina de trabalho

Atualizado: há 5 dias

Pesquisas mostram que ter intervalos estratégicos durante o trabalho contribuem para melhorar a performance dos colaboradores

Os breaks ajudam a restaurar nossos recursos neurais, além de melhorarem nosso estado emocional, contribuindo para um processo mais eficiente de tomada de decisão.


Sabe aqueles momentos em que você não consegue evoluir na execução de uma determinada atividade? Sente que está estagnado (a)? Ou sente que sua mente está agitada, confusa e cansada demais para tomar uma decisão? Esses são momentos clássicos em que precisamos de um break!

A partir desse momento, você pode até forçar o seu cérebro a dar aquela energia extra, mas a verdade é que seus recursos neurais já estão à beira do esgotamento. Nessas situações, provavelmente, você gastará muito mais tempo para realizar qualquer atividade, com uma qualidade inferior ao seu habitual, ficando inclusive mais suscetível a cometer erros. Intuitivamente sentimos essa necessidade, percebemos o nosso limite, mas frequentemente ignoramos esse alerta e seguimos na busca pela performance máxima, muitas vezes carregados pela pressão social da produtividade tóxica e pelo medo de não sermos bem avaliados ou aceitos em nossos ambientes de trabalho.


Ao longo de um dia de trabalho médio, tomamos muitas decisões, produzimos, interagimos com colegas, criamos e pensamos em soluções com diferentes tipos de complexidade, planejamos, antecipamos cenários e riscos, dentre diversas outras tarefas comuns a realidade da maioria das pessoas. Ocorre que essas atividades demandam uma quantidade significativa de energia do nosso cérebro, especialmente do nosso córtex pré-frontal, área conhecida por seu envolvimento essencial em processos cognitivos como Atenção, Memória, Tomada de Decisão, Pensamento Lógico e Regulação Emocional. O córtex pré-frontal também contribui para a manutenção do nosso foco em determinada tarefa, inibindo impulsos e distrações internas e externas, facilitando a resolução de problemas, a partir de uma habilidade conhecida como autocontrole.


Com tantas responsabilidades, é natural imaginar que esta área cerebral pode perfeitamente ficar sobrecarregada e falhar. É o que chamamos de Sobrecarga Cognitiva, quando nosso sistema interno não consegue lidar de maneira eficiente com as demandas, estímulos ou tarefas apresentadas de uma só vez. Esta condição, além de prejudicar nossa performance e clareza na tomada de decisão, também é um agente causador de estresse bastante conhecido, que contribui para piora do nosso engajamento e bem-estar no trabalho.


Dessa forma, os intervalos ao longo do dia de trabalho não devem ser percebidos como fraqueza, preguiça ou baixa produtividade. Ao contrário, a compreensão de seus benefícios fisiológicos, hoje já mapeados pela ciência, mostram que ter pausas estratégicas e regulares na rotina de trabalho contribuem para melhorar a performance e o bem-estar das pessoas.


Veja algumas evidências interessantes a respeito dos benefícios dos breaks na rotina:


- Ajudam a prevenir a chamada “Fadiga da Decisão


Ocorre quando há uma deterioração da qualidade das decisões tomadas por um indivíduo após um longo período de tomada de decisões, isto é, pesquisas indicam que o cansaço mental gerado leva a escolhas simplistas e à procrastinação.

Um famoso estudo realizado com juízes israelenses ajuda a exemplificar este fenômeno. Na pesquisa, descobriu-se que os juízes eram mais propensos a conceder liberdade condicional aos prisioneiros depois de voltar das pausas para alimentação, em comparação com quando trabalhavam por horas seguidas. À medida que a fadiga da decisão se instalou após longas horas de trabalho, a taxa de concessão de liberdade condicional caiu gradualmente para quase 0%. Quando já cansados os juízes recorriam à opção que exigia que eles pensassem o mínimo possível – apenas diziam que não.


Em resumo, os breaks ajudam a restaurar nossos recursos neurais, além de melhorarem nosso estado emocional, contribuindo para um processo mais eficiente de tomada de decisão.


- Ajudam a manter o foco atencional em tarefas de longo prazo


Quando precisamos enfrentar atividades complexas e demoradas é comum sentirmos mais dificuldade em manter nossa concentração, especialmente nos dias atuais com tantos estímulos distratores.


Uma pesquisa mostrou que manter a atenção focada por longos períodos em uma única tarefa pode prejudicar significativamente nosso desempenho. Por outro lado, ter intervalos e desativar o foco atencional momentaneamente, reativando-o em seguida, pode contribuir para a manutenção do nível atencional nesta tarefa.


Do ponto de vista prático, esse estudo sugere que diante de tarefas longas, é mais eficiente ter breves pausas que ajudam a sustentar o foco no longo prazo, do que tentar se manter por muito tempo fazendo a mesma coisa.


- Melhoram o engajamento e reduzem os sentimentos negativos associados ao trabalho.


Estudos indicam que os intervalos ao longo do dia, especialmente no período da tarde, quando ficamos gradativamente mais cansados fisicamente e mentalmente, melhoram o engajamento das pessoas em suas atividades de trabalho.


Além disso, observa-se uma redução dos sentimentos negativos gerados pelo estresse inerente às demandas de trabalho, sugerindo que as pausas regulares e estratégicas podem ser ferramentas simples que contribuem para uma maior saúde emocional, engajamento e performance no trabalho.


Será que qualquer tipo de break é capaz de proporcionar estes e outros benefícios para o nosso cérebro? As pesquisas mostram que não. Para serem eficientes as pausas devem conter alguns elementos chave, que realmente ajudem a restaurar nossos recursos cognitivos e emocionais. Para te ajudar a incluir intervalos realmente eficientes em sua rotina, seguem três dicas primordiais:


1. Atividades da sua escolha e preferência


Não vai adiantar fazer uma pausa de sua atividade de trabalho, com o objetivo de restaurar seus recursos neurais, se você utilizar esse tempo para resolver problemas ou fazer atividades que foram impostas/solicitadas por outra pessoa ou contexto. Para o seu break ser efetivo, é importante que você escolha a maneira como vai usar o seu tempo livre, da forma mais consciente possível, com o objetivo de recarregar suas energias. Lavar a louça, varrer a casa ou resolver problemas domésticos normalmente não são atividades que escolhemos fazer, mas que precisamos. Por isso, a não ser que você realmente adore organizar sua casa nesses intervalos, procure incluir ao menos em alguns breaks do dia algo que seja genuinamente da sua escolha.


2. Atividades que sejam realmente prazerosas para você


A maioria de nós dedica algum tempo planejando e refletindo sobre as atividades que serão realizadas ao longo do dia/semana de trabalho, mas normalmente não fazemos o mesmo para nosso tempo livre. Com isso, é comum que façamos mal uso dos nossos intervalos, sem utilizar este precioso momento para incluir uma atividade que nos traga prazer e bem-estar. Ao invés de ficar navegando na internet e pulando de uma rede social para a outra, experimente planejar seus intervalos ao longo do dia e incluir algo que seja realmente prazeroso para você: cozinhar, ouvir uma boa música, passar um tempo/conversar com amigos ou familiares, artesanato ou atividades manuais, caminhar, etc. O que você adoraria fazer nesses 15 minutos de intervalo?


3. Atividades com baixo esforço cognitivo


Lembre-se que o objetivo da pausa é ajudar o cérebro a restaurar suas energias, dando uma folga especial para o córtex pré-frontal. No entanto, se incluirmos nesses poucos minutos atividades que exijam demais dessa região cerebral, não estamos criando um espaço de restauração eficiente. Dessa forma, jogar videogame, resolver problemas, pagar contas, entrar numa conversa difícil ou tentar adiantar outros assuntos do trabalho não serão formas eficientes de passar o seu “tempo livre”. Por isso, busque atividades que priorizem o relaxamento e que não envolvam uma grande necessidade de controle cognitivo ou emocional. Por exemplo, passar um tempo ao ar livre, tomar uma xícara de chá ou café em silêncio, regar as plantas, fazer uma série de alongamentos, sonecas, meditação, etc.


Eu espero que depois desse texto você se sinta mais inspirado(a) a melhorar sua rotina, incluindo breaks estratégicos ao longo do seu dia. E se você é um líder, estimule e converse com sua equipe sobre esses benefícios!


A empresa onde você trabalha precisa de ajuda para melhorar o equilíbrio e bem-estar no ambiente de trabalho? Escreve para a gente!


Um abraço e até o próximo post 😉